Inteligência se aprende e não é determinada pela genética; Todo ser humano é capaz de aprender e ter consciência da própria aprendizagem; A escola promove o desenvolvimento do raciocínio e estimula o pensamento criativo; A escola incentiva a construção de autonomia intelectual e moral, inseparáveis e necessárias para construir uma ética para a vida; As pessoas constroem conhecimento na interação com o mundo; O acesso às tecnologias contemporâneas é um direito e uma condição para a vida no século 21; Aprender é estabelecer relações entre saberes; O conhecimento se constitui em grupo, na discussão e na crítica; O respeito pelos outros, a empatia, a solidariedade e a aceitação das diferenças são valores fundamentais para a vida em sociedade; Todas as pessoas têm o direito de viver bem e são responsáveis pela vida no planeta.
Apresentação da Escola

Uma Escola Construtivista

1. Numa escola construtivista, o aluno desenvolve habilidades de pensamento. A ênfase é no desenvolvimento das habilidades complexas do pensamento (análise, síntese, hipótese, crítica etc.) para além das habilidades básicas (memória, atenção, percepção etc.).

2. Os alunos são ativos, isto é, experimentam, refletem e discutem sobre o tema a conhecer. A partir de situações-problema que desafiam sua capacidade de pensar, pesquisam e buscam soluções e aprendem a aprender.

3. A abordagem dos temas é multidisciplinar, o que leva a considerar diversas perspectivas, comparar e contrastar possibilidades para tirar conclusões, o que dá agilidade ao pensamento e ao raciocínio.

4. O aluno experimenta soluções e faz inferências que vão além de fatos e programas. Aprender significa fazer relações entre os conhecimentos para aplicá-los em diversas situações.

5. A ampliação cultural é parte importante da educação construtivista. O aluno participa da vida da sociedade, da vida da escola, e todos os acontecimentos são objetos de reflexão e crítica.

6. Os conhecimentos têm significado, porque os alunos pensam e refletem sobre o que aprendem. A discussão nos grupos torna as atividades intensas, contextualizadas e interessantes. O aluno é protagonista de sua educação.

7. Os alunos aprendem a apoiar suas conclusões com evidências e argumentos lógicos nas discussões. As conexões e associações que relacionam o conhecimento obtido com a experiência cotidiana criam um acervo pessoal de ‘recursos mentais’.

8. As novas tecnologias são parte do cotidiano escolar, ferramentas para a mediação com a realidade, para solução de problemas e desafios, para expressão, para criação.

9. O professor construtivista reconhece a capacidade de pensar do aluno,  que deve rever os erros como parte do seu processo de raciocínio, num exercício de meta-cognição. Sem temer errar, o aprendiz arrisca a reflexão sobre temas complexos.


10. Como constroem conhecimento com os pares, os alunos aprendem a articular ideias, a comparar e trocar opiniões, numa colaboração efetiva nas tarefas do grupo. Aprendem a negociar.  

11. Ao contrastar saberes e opiniões, ao questionar conhecimentos e ideias, os alunos desenvolvem o pensamento crítico.

12. A avaliação do aluno, além de testes, provas e projetos, leva em conta o processo de trabalho, a iniciativa dos estudantes e seu investimento pessoal, com relatórios, produtos e soluções. Os alunos avaliam as próprias contribuições e percebem o quanto compreenderam sobre os conceitos a aprender, numa autoavaliação.

13. Na escola construtivista, os alunos aprimoram a capacidade de perceber o outro em discussões sobre suas relações, sobre a aprendizagem, sobre a realidade. O desenvolvimento moral é inseparável do desenvolvimento intelectual.

14. Uma escola construtivista tem um ambiente moral, com as atitudes e comportamentos sempre passíveis de debate e consideração. A construção moral se faz num processo de discussão e reflexão ao longo de toda a escolaridade.

15. O propósito da educação construtivista é a construção de autonomia, conceito vinculado à ética e ao conhecimento. Autonomia é a capacidade de tomar decisões segundo seus próprios valores e conhecimentos, sempre considerando os outros para poder escolher.

16. A educação construtivista é bastante trabalhosa para o aluno e para o professor, porque ambos estão sempre refletindo sobre como resolver desafios para a construção de mais conhecimento, pois aprender é para sempre.

17. Uma escola construtivista educa para a cidadania. O aluno constrói conhecimento e moral para contribuir para a sociedade, com ética e justiça.

18. O aluno que constrói autonomia está preparado para enfrentar os desafios e resolver problemas de um mundo em rápida transformação provocada pelas invenções e descobertas tornadas possíveis pelas tecnologias digitais.


Compartilhar

Facebook